Copa do Mundo 2014 - Pequenos empresários já se preparam para os negócios

Se a consciência dos empresários começa a mudar diante os negócios se antes que a bola comesse a rolar nos gramados, há quem já fature com tecnologia em Ribeirão Preto de olho nesse filão.

O mercado de vendas pela internet não tem limites e é muito promissor se o foco for pequenos e médios empreendedores. Quem apresenta soluções eficazes ganha espaço com rapidez.

É o caso da JET Tecnologia, especializada em desenvolver plataformas de comércio eletrônico, que planeja uma guinada de mais de 200% nas vendas da empresa, a partir de 2012.

Seu principal produto atende uma prosaica necessidade corporativa: oferecer a pequenos e médios empreendedores com menor poder de investimento a chance de expor e vender os seus artigos e serviços para estrangeiros que estarão com os olhos voltados para sites de vendas de hotéis, passagens, roupas esportivas, eletrônicos.

“A ferramenta propicia a pequenos empresários entrarem no canal de vendas, com respaldo tecnológico, e ele mesmo coloca os produtos e as imagens. Com a Copa esperamos  uma grande procura”, diz Fernando Mansano, diretor de marketing e vendas. Com um ano de mercado, a ferramenta possui mais de 100 clientes, segundo ele.

Fernando Mansano - foco na Copa do Mundo para aumentar os negócios

Fernando Mansano – foco na Copa do Mundo para aumentar os negócios

 

O setor de prestação de serviços deve ser um dos que mais faturam antes, durante  e depois da competição, projetam os analistas de mercado.

O clima esportivo gerará negócios com serviços de publicidades, assessoria de imprensa e produção visual. A demanda por artigos esportivos não-oficiais, escolinhas de futebol, eventos e serviços de apoio ao atleta são alguns que poderão lucrar.

Alimentação
E se a Copa de 2014 irá deixar um legado importante para o empresário, o segmento de alimentação tem uma boa chance de melhorar a gestão dos negócios e prosperar.

Em abril, um grupo de 50 empresas, com cerca de 100 pessoas de bares,  lanchonetes e restaurantes que trabalham com sistema self service e à la carte, começou a receber capacitação para aperfeiçoamento.

Eles são treinados por meio de aulas e com consultoria e recebem treinamento em gestão, como controle financeiro, atendimento ao público e logística na parte técnicas, melhores práticas e manipulação em alimentos.

O projeto Alimentação Fora do Lar, resultado de parceria do órgão com a Associação Comercial e o sindicato que representa os bares, lanchonetes e hotéis, treinou outras turmas anteriormente.

“Nós esperamos que essas empresas estejam preparadas não somente para o turista, mas com uma visão de longo prazo que a Copa irá impactar diretamente”, diz o consultor do Sebrae-SP em Ribeirão, Marcelo Montagnana.

Estilista local aposta na criatividade
A estilista Adriana Mattos, 41 anos, está de olho no filão que representa a Copa do Mundo de 2014.

Em seu ateliê, no Condomínio Quinta da Boa Vista, em Ribeirão Preto, ela se debruça nas pesquisas para levantar temas relacionados à competição mundial para colocar no mercado no começo de 2012.

Ela quer aproveitar para fazer um trabalho que leva insumos brasileiros e com o que Ribeirão Preto oferece de melhor. Mais que vender camisetas com tema da Copa, Adriana, que atualmente atende apenas o público feminino e manda a sua produção para o Rio de Janeiro e São Paulo e quer tornar sua marca ainda mais conhecida, pretende vender também para os homens.

Pretende aumentar a produção atual de 100 camisetas por dia para chegar a 300. Para isso, pretende comprar mais prensas e máquinas já a partir do ano que vem. “O setor de moda trabalha geralmente em segredo com as suas criações, mas dos nossos projetos já há vários ‘bonecos’ do que venderemos com o tema do mundial”, diz.

Conforme o Sebrae-SP, o trabalho com produtos reciclados ou reaproveitados é um diferencial para o setor de moda, aliado à produção de insumos a partir de produtos genuinamente brasileiros, como sementes e caules de frutos típicos.

Exigências estão maiores para os fornecedores
Mas para aproveitar as oportunidades da Copa de 2014 as pequenas e médias empresas, as que têm maiores chances de prosperar, precisam mais que a capacidade técnica, atendimento diferenciado  e ter bons produtos e serviços.

É necessário que estejam com a documentação em ordem para vender produtos para o governo e as empresas particulares. Conforme o Itaú Empresas, a cada dia é mais comum que as empresas particulares solicitem certidões negativas de outras empresas na hora de fechar o negócio ou começar uma parceria.

Para isso, o investidor por ser um Empreendedor Individual e ter direito ao CNPJ, emissão de nota fiscal, acesso a financiamentos especiais, participação em licitações públicas e ter direito a garantias da Previdência. Em Ribeirão Preto  para saber como aderir um dos canais é o site do Sebrae: www.sebrae.com.br.

Por Luciene Garcia
Jornal A Cidade